O PARALELO – Festival de Dança, organizado pelo 37.25 Núcleo de Artes Performativas, nasce da vontade de dinamizar a cidade de Ponta Delgada e enriquecer o seu tecido sóciocultural através de uma programação interdisciplinar, que tem como principal intento abranger várias vertentes da dança, a circulação entre espaços, movimentar pessoas e consequentemente diferentes públicos.

Regressa a Ponta Delgada, para a sua segunda edição, de 27 a 29 de Setembro e de 3 a 5 de Outubro. Da sua programação farão parte performances, espetáculos, aulas, mostra de vídeodança, jam session, residências artísticas e música.

Uma vez que a consciência e predisposição para a dança e arte em geral se desenvolveu em grande escala nos últimos anos nas ilhas, pretende-se possibilitar um intercâmbio e partilha de experiências e formação através da inclusão na programação de nomes de referência no panorama da dança – bailarinos, coreógrafos, pedagogos – que enriquecerão a ilha através da sua arte.

Nesta segunda edição vamos renovar o conteúdo programático, no total serão quatro espetáculos de dança contemporânea, uma jam session e um espetáculo de danças urbanas.

O Paralelo Festival de Dança destaca-se pela forte aposta na componente pedagógica e formativa pela Arte, proporcionando aos participantes a possibilidade de experimentarem e praticarem diversas aulas, reconectarem-se consigo mesmos e agitarem os corpos e a mente.

Divididas em duas áreas: Sociais / Tradicionais e Urbanas / Contemporâneas, no total serão cerca de 30 horas de formação em diversos estilos de dança, que vão desde o passado até às linguagens emergentes dos nossos dias.

PARALELO ON HEELS e PARALELO ON THE BEAT, são um convite à celebração da dança, da música e do convívio. Traga o seu melhor guarda roupa e o seu sapato mais bonito e venha fazer parte destas três festas que prometem muita dança, diversão, animação, descontração, e claro “cool moves on the dancefloor”. Só bons motivos para se juntarem a nós.

PARALELO ON HEELS no dia 29 de Setembro no Solar da Graça, é o culminar da programação do primeiro fim de semana da edição #2 do Paralelo Festival de Dança. Será uma festa composta por ritmos latinos, brasileiros e populares onde os professores convidados irão brindar o público com demonstrações informais de vários estilos celebrando a vida através da dança. Venha fazer parte deste serão que promete muita dança e ritmo de pernas, para além do mais, é grátis!

PARALELO ON THE BEAT, nos dias 4 e 5 de Outubro no Raiz Club, encerra os últimos dois dias do Festival com uma programação composta por TRIO ALCATIFA – que nos trazem ritmos e melodias orientais com pinceladas de bailarico, acompanhados pela bailarina de dança oriental SAFIYAH, as virações ecléticas de DJ CARIE, os sons originais e de fusão além fronteiras de EL GADZÉ e SWING STATION que nos animarão com Hodge Podge Stomp, um espetáculo repleto de energia das danças vintage americanas.

Duarte Valadares

Nascido no Porto, Duarte tem 29 anos e formou-se na Escola Superior de Dança em 2014, reside em Portugal. A sua pesquisa e interesse pelo movimento contemporâneo e urbano, culminou num estudo de movimento que se intitula de Hybrid Movement. No Paralelo Festival de Dança apresenta a sua criação Rubble King e irá coordenar a residência artística com jovens, pertencentes a grupos de danças urbanas da ilha de São Miguel, que culminará no espetáculo Simulacro

Sarah Elgart | Arrogant Elbow

Ao longo do seu percurso Sarah tem vindo a criar projetos de dança para palco, vídeo e site-specific. Já coreografou para diretores icónicos como JJ Abrams, David Lynch e Anton Korbjin  O seu vídeo-dança Ghost Story, aclamado pela crítica, já foi exibido em Cannes Film Festival’s Court Metrage, Berlin Fashion Film Festival, Architecture & Design Film Festival in Athens, NY, Washington, D.C., entre outros, e também poderá ser visto no Paralelo Festival de Dança

Katariina Räty e Mia Jaatinen

Katariina é realizadora e argumentista, Mia Jaatinen é artista de dança freelancer e ambas vivem em Helsínquia  O seu vídeo-dança experimental, premiado e exibido em vários festivais internacionais Second Illusion, explora as características femininas estereotipadas e será exibido no Paralelo Festival de Dança.

Vito Alfarano

Diretor da AlphaZTL Company of Dynamic Art based in Brindisi (Italy) que promove a inclusão através da dança e vídeo arte colaborando com prisioneiros, imigrantes, pacientes de internamento psiquiátrico, portadores de deficiências mentais e Síndrome de Down. INTAGOUT e  I HAVE A DREAM fazem parte da programação de vídeo-dança.

Grzegorz Myjkowski e Katarzyna Ustowska

Grzegorz nasceu em Gdańsk, Polónia, é estudante do último ano de mestrado em direção cinematográfica na Universidade da Silésia. Atualmente realiza os audiovisuais para vídeos de música e documentários.

Katarzyna Ustowska formou-se na Northern School of Contemporary Dance, Universidade de Kent na Grã Bretanha, e tem o mestrado de Educação na Dança Contemporânea na Universidade de Música e Artes Performativas de Frankfurt.

O vídeo-dança LINEA foi dirigido por ambos e será apresentado no Paralelo Festival de Dança

Companhia de Dança de Almada

The Art of Loosing partiu de uma ideia original de Luís Malaquias, e tem como base uma criação de São Castro.Vídeo realizado por Cristina Ferreira Gomes experimenta a reflexão cinematográfica sobre a dança. Integralmente filmada no Pinhal de Leiria, pretende contribuir para consciencializar/alertar para questões de foro ambiental, social e cultural, e refletir sobre a importância de saber como lidar com a perda. Será exibido no Paralelo Festival de Dança.

Miroslav Kochánek e Andreia Rodrigues

Miroslav e Andreia são bailarinos e coreógrafos. Miroslav nasceu em Praga e vive atualmente na Europa. Estudou dança no Duncan Centrer e na Fontys Dansacademie em Tilbrug. Andreia nasceu em Lisboa, 1983, viveu em Macau e atualmente reside na Antuérpia, Bélgica.  Estou na Escola Superior de Dança e também na Fontys Dansacademie. O seu vídeo-dança PLURAL INDIVIDUAL fará parte da programação de vídeo-dança.

Victor Hugo Pontes

Prestigiado coreógrafo português que também desenvolve trabalho como ator, cenógrafo, professor e encenador.  Vencedor do prémio SPA na categoria de dança – Melhor coreografia – com a peça, Margem e eleito o Melhor Espectáculo do Ano pelo Público e pelo Expresso, com A Ballet Story. 

Estará presente na segunda edição do Paralelo Festival de Dança com a peça UNÍSSONO e irá orientar uma masterclass que tem como ponto de partida os processos de composição desenvolvidos nesta criação.

CIE MF

Cie MF | Maxime and Francesco é uma companhia ítalo-francesa de dança contemporânea e teatro físico, fundada, em 2014, pelos bailarinos e coreógrafos  Maxime Freixas e Francesco Colaleo. A sua peça Farde-Moi será integrada na programação do Paralelo Festival de Dança.  Também serão os professores da aula de floorwork e partnering.

Jill Crovisier

Bailarina, coreógrafa e video maker. Formada em Ballet e Dança Contemporânea pelo Conservatório de Música em Esch/Alzette (LU) e selecionada em 2005 pelo British Council of Arts para integrar a China EU Art school em Pequim. Diretora artística da produtora JC movement, a sua peça Hidden Garden e vídeo-dança NILYNDA farão parte da programação do Paralelo Festival de Dança.  Jill também será a professora da aula de Dança Contemporânea “What moves us makes us the mover we are”.

Orchidaceae Dance Company

Coletivo formado por Piny, Leo, Lúcia, Kenzi, Cookie, Moony, Maria e Sílvia. Um projeto que nasce do contexto da cultura Hip Hop e das danças urbanas e que viajou por mundos de corpos e danças muito diferentes. A peça de dança Sacred Geometry | A Meditative State vai ser apresentada no Paralelo Festival de Dança.

Este projeto de dança, exclusivamente feminino, centra o seu trabalho na criação artística e ensino sob a direção de Piny. O seu vasto vocabulário em danças urbanas estará incluído na programação de aulas.

Swing Station

Abeth Farag e Matt Bedell vão representar a escola Swing Station, o primeiro projeto em Portugal de Danças Vintage Americanas, no Paralelo Festival de Dança. Serão os professores das aulas de Charleston, a dança frenética dos anos 20, e Lindy Hop , a dança swing original. Para além das aulas, vão espalhar alegria com o seu show Hodge Podge Stomp, que leva a energia das danças vintage americanas a palco.

Marisa Barroso

Doutorada em Ciências do desporto especialização em Orientação Espacial, Dança, Desenvolvimento Motor; Controlo Motor e Aprendizagem; Pedagogia da Dança, Salvaguarda do Património Cultural – Dança Tradicional e Popular, Inclusão, Atividade Física Adaptada. É coordenadora do projeto piloto – Salvaguarda das Danças Tradicionais e Populares Portuguesas que visa salvaguardar e divulgar de forma ativa o uso das Danças Tradicionais e dar uma resposta inovadora a vários problemas da sociedade, com foco no combate ao isolamento sociocultural. Será professora da oficina de Danças do Mundo.

Dário Pacheco e Raquel Baltazar

Dário Pacheco, Torres Vedras, 1987, licenciado pela Escola Superior de Dança de Lisboa em 2010, tem desenvolvido o seu trabalho enquanto professor, coreógrafo, intérprete e Videasta. Ganhou em 2002 o 1º lugar no ranking em danças latinas pela Federação de dança desportiva Portuguesa. Raquel Baltazar, Lisboa, licenciada em Dança, na Escola Superior de Dança, desde 2016. Frequentou aulas de  Danças de Salão, na Escola de Dança de Torres Vedras (1996 a 2007). Vão ministrar aulas de Danças de Salão Latinas –  Pasodoble, Jive, Rumba e vão levar a palco uma apresentação que irá englobar diversos ritmos latinos celebrando a vida através da dança.

Dança Brasil dos Açores

O casal João Carlos e Lau Oliveira, desde 2004, ministram aulas de diversos ritmos brasileiros e desenvolvem uma atividade frequente na dança com apresentações em teatros e escolas de dança. Vão ser os professores das aulas de Forró, uma das danças típicas mais populares do Brasil.

Trio Alcatifa

Dr. alban, dr. bombazine e dr. rashid viajam confortavelmente a bordo de uma versão moderna dos lendários tapetes voadores. Levantaram voo no deserto e deixaram-se inebriar pela música nas ruas do leste. Como têm o dom de controlar o vento, conseguiram prosseguir, trazendo um rasto quente de areia misturado com a brisa fresca dos sopros. Fazem lembrar os encantadores de serpentes porque convidam o corpo ao movimento ondulado. Ritmos e melodias orientais com pinceladas de bailarico. impossível não levantar voo, impossível não deslizar.

DJ Carie

Erica, Francesa, decidiu ficar em Lisboa pelo amor ao idioma português, já há 3 anos. Carie é uma dj ecléctica e que dá valor às técnicas de mix. Com enorme experiência atrás dos pratos, adora viajar entre diferentes estilos musicais que tenham baterias, “breaks” ou congas : hiphop, tropical, bass music, breakbeats são as suas principais armas. J É também fundadora do coletivo que valoriza as mulheres nos pratos: Wicked girls. Já tocou em muitos lugares do planeta e vai eletrizar a pista de dança do Raiz Club na festa de encerramento do Paralelo Festival de Dança 

El Gadzé

El Gadzé iniciou o seu percurso de DJ durante o quente verão Português de 1998 e, desde então de Norte a Sul e de Leste a Oeste, os DJ sets de El Gadzé vão além das fronteiras (musicais) com a sua original e excitante maneira de cruzar, misturar, fundir e sentir o som, viajando junto com o público numa jornada repleta de felicidade e aventuras. Global Underground, World Music, Folktronica e Brass Fusion são os principais ingredientes polvilhados com Wonky, Ska, Mashups e Gypsy Circus e envolvidos em delícias como Psychedelia, Ethno Dub e Dirty Lounge. Vai-se juntar ao Trio Alcatifa e a DJ Carie para a festa de encerramento do Paralelo Festival de Dança

Flip

Há um gosto de viver na [in]definição, de se ir tanto à terra e tanto ao mar, de se provar o agridoce, de se estar no lusco-fusco. É aí que vive FLiP e tal qual volta ao disco, que não toca o mesmo. O caminho na música fez-se de discos e fez-se de máquinas, mecanismos para se extravasar o que se [ou]viu e sentiu. Fez-se há mais de 20 anos, com vistas bonitas por entre o caminho trilhado, mas o melhor é que se continua hoje, a fazer-se mais, a fazer-se diferente, a re[in]definir-se. Flip viaja desde a organicidade do Disco à plasticidade do Tecno, para que no final paire a felicidade nos ouvintes e se faça um brinde à celebração da vida. É o músico convidado para participar na Jam Session do Paralelo on Wheels.

Ricardo Reis

Pode-se dizer que a sua escola de música foi o mítico bar Zás Trás, que acima de tudo o ensinou a apreciar e interagir com os diferentes músicos que lá passavam. Desde cedo o seu maior fascínio por tocar foi a possibilidade de criar no momento, a seu ver a improvisação é o que mais interessante existe na música quando ela é vista como um meio para comunicação e partilha.

Para além da bateria, que é o seu instrumento principal, também nutre um fascínio pela música electrónica e os sintetizadores analógicos. Nunca sendo a sua actividade principal, a música faz parte da sua vida há mais de 20 anos, e participou em vários projetos, nomeadamente em sessões de improvisação com vários músicos.

É um dos músicos convidados para participar na Jam Session do Paralelo On Wheels.

Paula Mota

Paula Mota nasceu no Porto. Em 1993 licenciou-se em Artes Plásticas – Pintura, pela Escola Superior de Belas Artes do Porto. Vive em S. Miguel, Açores.

Participou em diversas exposições coletivas entre 1991 e 2019. É professora da Escola Secundária Antero de Quental. Entre 2017 e 2019 colaborou com ilustrações nas revistas Falta, Grotta e Cadernos de Poesia. Colaborou com o Conservatório Regional na criação de adereços para o concerto final do estágio do Coro. Também prestou colaboração como artista convidada no projeto “Interstelar”, do Instituto 61, incluído no festival Tremor de 2019.

É a artista convidada para estruturar e orientar a temática surpresa da Jam Session.

Carolina Rocha e Hugo França

Carolina é formada em Dança, pela Escola Superior de Dança e é uma das fundadoras do coletivo 37.25 Núcleo de Artes Performativas, 2011. Em paralelo ao seu trabalho de intérprete e professora, desenvolve o seu trabalho como criadora independente.

Hugo França apaixonado pelo cinema por influência do pai que é realizador, estudou na RESTART e desde então trabalha como editor, compositor, fotógrafo e diretor de fotografia freelancer.

O vídeo-dança “Degrau em Grau” (2015) é uma criação de Carolina Rocha e Hugo França vencedor de dois prémios: Melhor Filme no Zinetika VideoDance Festival e Melhores Realizadores Portugueses pelo Júri Escolas no Festival InShadow.

Este ano voltaram-se a juntar para uma nova colaboração e criação, um trabalho que será estreado na mostra de videodança e contará com a participação e interpretação do coletivo 37.25 Núcleo de Artes Performativa

<< Dez 2019 >>
STQQSSD
25 26 27 28 29 30 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5

37N 25W são as coordenadas que localizam a ilha de São Miguel no espaço. São estas coordenadas que definem a criatividade deste núcleo, inicialmente constituído por 9 bailarinos, micaelenses, que se uniram com o objetivo de partilharem a suas experiências e difundi-las através da dança. Construíram um processo que passa por uma viagem inovadora, ilustrada pela herança insular, geografia e construção de uma nova perspetiva da cultura açoriana. É na dança e performance que encontram a sua expressão e património cultural. É a partir da concepção de projetos nesta área, que comunicam e contagiam outros ramos artísticos. A filosofia deste grupo de intérpretes, coreógrafos e criadores, parte do princípio de que não existe um padrão a ser seguido. O processo de trabalho é colaborativo, deixando-se influenciar e instigar pelas linguagens e estilos dos próprios integrantes do Núcleo, assim como, com os diferentes coreógrafos com quem têm vindo a trabalhar.

Atualmente, após 9 anos, o Núcleo é constituído por: Carolina Rocha, Catarina Medeiros, Maria João Gouveia e Sara Machado.

PORTOFOLIO

2011 Work in Progress / Arco 8;

2012 Resvés cocriação 37.25-NAP / Teatro Micaelense; Abertura do festival Walk&Talk; 2013 A Ilha de Victor Hugo Pontes e Marco da Silva Ferreira / Teatro Micaelense / Walk&Talk

2014 Cardume de Filipa Francisco / Teatro Micaelense / Walk&Talk;

2015 Charm criação 37.25-NAP / Exchange with your heart – Terra Nostra;

Espectro de Luís Guerra / Teatro Micaelense / Walk&Talk;

Em Rede– cocriação em tempo real 37.25-NAP / Teatro Ribeiragrandense;

No tapete da Magia Sharing the Music Vox Cordis / Coliseu Micaelense;

5 vídeo, instalação-performance 37.25-NAP com o músico Filipe Carneiro / Arco8;

2016 Lago dos Cisnes da companhia de dança Quórum Ballet / Teatro Micaelense;

Dia D oficinas e improvisação 37.25-NAP com os músicos Luís Senra e João Tavares / Celebração do Dia Mundial da Dança / Teatro Micaelense;

#DANCEWITHSOMEBODY de João dos Santos Martins / Teatro Micaelense / Walk&Talk;

E caíram nas mãos gotas daquela Alma de 37.25-NAP criação Tiago Correia / Teatro Faialense / Centro Cultural da ilha Graciosa / Teatro Ribeira-grandense;

2017 Casulo de 37.25NAP / Prix CIRCOM Regional Gala Awards/Paralelo-Festival de dança. 2018

PARALELO Festival de Dança #1

2018 As Fadas de 37.25NAP criação Maria João Gouveia/ Teatro Micaelense/ Noites de Verão CMPDL

2019 Garden de Daniel Cardoso – Quórum Ballet / Teatro Micaelense

FICHA TÉCNICA
Direcção Artística e Produção – Catarina Medeiros e Carolina Rocha
Produção – 37.25 Núcleo de Artes Performativas
Direcção de Comunicação – Sara Machado
Assistência Comunicação – Maria João Gouveia, Joana Matos (Estúdio 13)
Design – Leonardo Baier Araujo
Design –  Teresa Pereira da Silva
Video – Hugo França
Fotografia – Carlos Cabral de Melo e Paulo Prata
Site – Lúcia Barreira
O PARALELO – Festival de Dança, organizado pelo 37.25 Núcleo de Artes Performativas, nasce da vontade de dinamizar a cidade de Ponta Delgada e enriquecer o seu tecido sóciocultural através de uma programação interdisciplinar, que tem como principal intento abranger várias vertentes da dança, a circulação entre espaços, movimentar pessoas e consequentemente diferentes públicos.

Regressa a Ponta Delgada, para a sua segunda edição, de 27 a 29 de Setembro e de 3 a 5 de Outubro. Da sua programação farão parte performances, espetáculos, aulas, mostra de vídeodança, jam session, residências artísticas e música.

Uma vez que a consciência e predisposição para a dança e arte em geral se desenvolveu em grande escala nos últimos anos nas ilhas, pretende-se possibilitar um intercâmbio e partilha de experiências e formação através da inclusão na programação de nomes de referência no panorama da dança – bailarinos, coreógrafos, pedagogos – que enriquecerão a ilha através da sua arte.

Nesta segunda edição vamos renovar o conteúdo programático, no total serão quatro espetáculos de dança contemporânea, uma jam session e um espetáculo de danças urbanas.

O Paralelo Festival de Dança destaca-se pela forte aposta na componente pedagógica e formativa pela Arte, proporcionando aos participantes a possibilidade de experimentarem e praticarem diversas aulas, reconectarem-se consigo mesmos e agitarem os corpos e a mente.

Divididas em duas áreas: Sociais / Tradicionais e Urbanas / Contemporâneas, no total serão cerca de 30 horas de formação em diversos estilos de dança, que vão desde o passado até às linguagens emergentes dos nossos dias.

PARALELO ON HEELS e PARALELO ON THE BEAT, são um convite à celebração da dança, da música e do convívio. Traga o seu melhor guarda roupa e o seu sapato mais bonito e venha fazer parte destas três festas que prometem muita dança, diversão, animação, descontração, e claro “cool moves on the dancefloor”. Só bons motivos para se juntarem a nós.

PARALELO ON HEELS no dia 29 de Setembro no Solar da Graça, é o culminar da programação do primeiro fim de semana da edição #2 do Paralelo Festival de Dança. Será uma festa composta por ritmos latinos, brasileiros e populares onde os professores convidados irão brindar o público com demonstrações informais de vários estilos celebrando a vida através da dança. Venha fazer parte deste serão que promete muita dança e ritmo de pernas, para além do mais, é grátis!

PARALELO ON THE BEAT, nos dias 4 e 5 de Outubro no Raiz Club, encerra os últimos dois dias do Festival com uma programação composta por TRIO ALCATIFA – que nos trazem ritmos e melodias orientais com pinceladas de bailarico, acompanhados pela bailarina de dança oriental SAFIYAH, as virações ecléticas de DJ CARIE, os sons originais e de fusão além fronteiras de EL GADZÉ e SWING STATION que nos animarão com Hodge Podge Stomp, um espetáculo repleto de energia das danças vintage americanas.

Duarte Valadares

Nascido no Porto, Duarte tem 29 anos e formou-se na Escola Superior de Dança em 2014, reside em Portugal. A sua pesquisa e interesse pelo movimento contemporâneo e urbano, culminou num estudo de movimento que se intitula de Hybrid Movement. No Paralelo Festival de Dança apresenta a sua criação Rubble King e irá coordenar a residência artística com jovens, pertencentes a grupos de danças urbanas da ilha de São Miguel, que culminará no espetáculo Simulacro

Sarah Elgart | Arrogant Elbow

Ao longo do seu percurso Sarah tem vindo a criar projetos de dança para palco, vídeo e site-specific. Já coreografou para diretores icónicos como JJ Abrams, David Lynch e Anton Korbjin  O seu vídeo-dança Ghost Story, aclamado pela crítica, já foi exibido em Cannes Film Festival’s Court Metrage, Berlin Fashion Film Festival, Architecture & Design Film Festival in Athens, NY, Washington, D.C., entre outros, e também poderá ser visto no Paralelo Festival de Dança

Katariina Räty e Mia Jaatinen

Katariina é realizadora e argumentista, Mia Jaatinen é artista de dança freelancer e ambas vivem em Helsínquia  O seu vídeo-dança experimental, premiado e exibido em vários festivais internacionais Second Illusion, explora as características femininas estereotipadas e será exibido no Paralelo Festival de Dança.

Vito Alfarano

Diretor da AlphaZTL Company of Dynamic Art based in Brindisi (Italy) que promove a inclusão através da dança e vídeo arte colaborando com prisioneiros, imigrantes, pacientes de internamento psiquiátrico, portadores de deficiências mentais e Síndrome de Down. INTAGOUT e  I HAVE A DREAM fazem parte da programação de vídeo-dança.

Grzegorz Myjkowski e Katarzyna Ustowska

Grzegorz nasceu em Gdańsk, Polónia, é estudante do último ano de mestrado em direção cinematográfica na Universidade da Silésia. Atualmente realiza os audiovisuais para vídeos de música e documentários.

Katarzyna Ustowska formou-se na Northern School of Contemporary Dance, Universidade de Kent na Grã Bretanha, e tem o mestrado de Educação na Dança Contemporânea na Universidade de Música e Artes Performativas de Frankfurt.

O vídeo-dança LINEA foi dirigido por ambos e será apresentado no Paralelo Festival de Dança

Companhia de Dança de Almada

The Art of Loosing partiu de uma ideia original de Luís Malaquias, e tem como base uma criação de São Castro.Vídeo realizado por Cristina Ferreira Gomes experimenta a reflexão cinematográfica sobre a dança. Integralmente filmada no Pinhal de Leiria, pretende contribuir para consciencializar/alertar para questões de foro ambiental, social e cultural, e refletir sobre a importância de saber como lidar com a perda. Será exibido no Paralelo Festival de Dança.

Miroslav Kochánek e Andreia Rodrigues

Miroslav e Andreia são bailarinos e coreógrafos. Miroslav nasceu em Praga e vive atualmente na Europa. Estudou dança no Duncan Centrer e na Fontys Dansacademie em Tilbrug. Andreia nasceu em Lisboa, 1983, viveu em Macau e atualmente reside na Antuérpia, Bélgica.  Estou na Escola Superior de Dança e também na Fontys Dansacademie. O seu vídeo-dança PLURAL INDIVIDUAL fará parte da programação de vídeo-dança.

Victor Hugo Pontes

Prestigiado coreógrafo português que também desenvolve trabalho como ator, cenógrafo, professor e encenador.  Vencedor do prémio SPA na categoria de dança – Melhor coreografia – com a peça, Margem e eleito o Melhor Espectáculo do Ano pelo Público e pelo Expresso, com A Ballet Story. 

Estará presente na segunda edição do Paralelo Festival de Dança com a peça UNÍSSONO e irá orientar uma masterclass que tem como ponto de partida os processos de composição desenvolvidos nesta criação.

CIE MF

Cie MF | Maxime and Francesco é uma companhia ítalo-francesa de dança contemporânea e teatro físico, fundada, em 2014, pelos bailarinos e coreógrafos  Maxime Freixas e Francesco Colaleo. A sua peça Farde-Moi será integrada na programação do Paralelo Festival de Dança.  Também serão os professores da aula de floorwork e partnering.

Jill Crovisier

Bailarina, coreógrafa e video maker. Formada em Ballet e Dança Contemporânea pelo Conservatório de Música em Esch/Alzette (LU) e selecionada em 2005 pelo British Council of Arts para integrar a China EU Art school em Pequim. Diretora artística da produtora JC movement, a sua peça Hidden Garden e vídeo-dança NILYNDA farão parte da programação do Paralelo Festival de Dança.  Jill também será a professora da aula de Dança Contemporânea “What moves us makes us the mover we are”.

Orchidaceae Dance Company

Coletivo formado por Piny, Leo, Lúcia, Kenzi, Cookie, Moony, Maria e Sílvia. Um projeto que nasce do contexto da cultura Hip Hop e das danças urbanas e que viajou por mundos de corpos e danças muito diferentes. A peça de dança Sacred Geometry | A Meditative State vai ser apresentada no Paralelo Festival de Dança.

Este projeto de dança, exclusivamente feminino, centra o seu trabalho na criação artística e ensino sob a direção de Piny. O seu vasto vocabulário em danças urbanas estará incluído na programação de aulas.

Swing Station

Abeth Farag e Matt Bedell vão representar a escola Swing Station, o primeiro projeto em Portugal de Danças Vintage Americanas, no Paralelo Festival de Dança. Serão os professores das aulas de Charleston, a dança frenética dos anos 20, e Lindy Hop , a dança swing original. Para além das aulas, vão espalhar alegria com o seu show Hodge Podge Stomp, que leva a energia das danças vintage americanas a palco.

Marisa Barroso

Doutorada em Ciências do desporto especialização em Orientação Espacial, Dança, Desenvolvimento Motor; Controlo Motor e Aprendizagem; Pedagogia da Dança, Salvaguarda do Património Cultural – Dança Tradicional e Popular, Inclusão, Atividade Física Adaptada. É coordenadora do projeto piloto – Salvaguarda das Danças Tradicionais e Populares Portuguesas que visa salvaguardar e divulgar de forma ativa o uso das Danças Tradicionais e dar uma resposta inovadora a vários problemas da sociedade, com foco no combate ao isolamento sociocultural. Será professora da oficina de Danças do Mundo.

Dário Pacheco e Raquel Baltazar

Dário Pacheco, Torres Vedras, 1987, licenciado pela Escola Superior de Dança de Lisboa em 2010, tem desenvolvido o seu trabalho enquanto professor, coreógrafo, intérprete e Videasta. Ganhou em 2002 o 1º lugar no ranking em danças latinas pela Federação de dança desportiva Portuguesa. Raquel Baltazar, Lisboa, licenciada em Dança, na Escola Superior de Dança, desde 2016. Frequentou aulas de  Danças de Salão, na Escola de Dança de Torres Vedras (1996 a 2007). Vão ministrar aulas de Danças de Salão Latinas –  Pasodoble, Jive, Rumba e vão levar a palco uma apresentação que irá englobar diversos ritmos latinos celebrando a vida através da dança.

Dança Brasil dos Açores

O casal João Carlos e Lau Oliveira, desde 2004, ministram aulas de diversos ritmos brasileiros e desenvolvem uma atividade frequente na dança com apresentações em teatros e escolas de dança. Vão ser os professores das aulas de Forró, uma das danças típicas mais populares do Brasil.

Trio Alcatifa

Dr. alban, dr. bombazine e dr. rashid viajam confortavelmente a bordo de uma versão moderna dos lendários tapetes voadores. Levantaram voo no deserto e deixaram-se inebriar pela música nas ruas do leste. Como têm o dom de controlar o vento, conseguiram prosseguir, trazendo um rasto quente de areia misturado com a brisa fresca dos sopros. Fazem lembrar os encantadores de serpentes porque convidam o corpo ao movimento ondulado. Ritmos e melodias orientais com pinceladas de bailarico. impossível não levantar voo, impossível não deslizar.

DJ Carie

Erica, Francesa, decidiu ficar em Lisboa pelo amor ao idioma português, já há 3 anos. Carie é uma dj ecléctica e que dá valor às técnicas de mix. Com enorme experiência atrás dos pratos, adora viajar entre diferentes estilos musicais que tenham baterias, “breaks” ou congas : hiphop, tropical, bass music, breakbeats são as suas principais armas. J É também fundadora do coletivo que valoriza as mulheres nos pratos: Wicked girls. Já tocou em muitos lugares do planeta e vai eletrizar a pista de dança do Raiz Club na festa de encerramento do Paralelo Festival de Dança 

El Gadzé

El Gadzé iniciou o seu percurso de DJ durante o quente verão Português de 1998 e, desde então de Norte a Sul e de Leste a Oeste, os DJ sets de El Gadzé vão além das fronteiras (musicais) com a sua original e excitante maneira de cruzar, misturar, fundir e sentir o som, viajando junto com o público numa jornada repleta de felicidade e aventuras. Global Underground, World Music, Folktronica e Brass Fusion são os principais ingredientes polvilhados com Wonky, Ska, Mashups e Gypsy Circus e envolvidos em delícias como Psychedelia, Ethno Dub e Dirty Lounge. Vai-se juntar ao Trio Alcatifa e a DJ Carie para a festa de encerramento do Paralelo Festival de Dança

Flip

Há um gosto de viver na [in]definição, de se ir tanto à terra e tanto ao mar, de se provar o agridoce, de se estar no lusco-fusco. É aí que vive FLiP e tal qual volta ao disco, que não toca o mesmo. O caminho na música fez-se de discos e fez-se de máquinas, mecanismos para se extravasar o que se [ou]viu e sentiu. Fez-se há mais de 20 anos, com vistas bonitas por entre o caminho trilhado, mas o melhor é que se continua hoje, a fazer-se mais, a fazer-se diferente, a re[in]definir-se. Flip viaja desde a organicidade do Disco à plasticidade do Tecno, para que no final paire a felicidade nos ouvintes e se faça um brinde à celebração da vida. É o músico convidado para participar na Jam Session do Paralelo on Wheels.

Ricardo Reis

Pode-se dizer que a sua escola de música foi o mítico bar Zás Trás, que acima de tudo o ensinou a apreciar e interagir com os diferentes músicos que lá passavam. Desde cedo o seu maior fascínio por tocar foi a possibilidade de criar no momento, a seu ver a improvisação é o que mais interessante existe na música quando ela é vista como um meio para comunicação e partilha.

Para além da bateria, que é o seu instrumento principal, também nutre um fascínio pela música electrónica e os sintetizadores analógicos. Nunca sendo a sua actividade principal, a música faz parte da sua vida há mais de 20 anos, e participou em vários projetos, nomeadamente em sessões de improvisação com vários músicos.

É um dos músicos convidados para participar na Jam Session do Paralelo On Wheels.

Paula Mota

Paula Mota nasceu no Porto. Em 1993 licenciou-se em Artes Plásticas – Pintura, pela Escola Superior de Belas Artes do Porto. Vive em S. Miguel, Açores.

Participou em diversas exposições coletivas entre 1991 e 2019. É professora da Escola Secundária Antero de Quental. Entre 2017 e 2019 colaborou com ilustrações nas revistas Falta, Grotta e Cadernos de Poesia. Colaborou com o Conservatório Regional na criação de adereços para o concerto final do estágio do Coro. Também prestou colaboração como artista convidada no projeto “Interstelar”, do Instituto 61, incluído no festival Tremor de 2019.

É a artista convidada para estruturar e orientar a temática surpresa da Jam Session.

Carolina Rocha e Hugo França

Carolina é formada em Dança, pela Escola Superior de Dança e é uma das fundadoras do coletivo 37.25 Núcleo de Artes Performativas, 2011. Em paralelo ao seu trabalho de intérprete e professora, desenvolve o seu trabalho como criadora independente.

Hugo França apaixonado pelo cinema por influência do pai que é realizador, estudou na RESTART e desde então trabalha como editor, compositor, fotógrafo e diretor de fotografia freelancer.

O vídeo-dança “Degrau em Grau” (2015) é uma criação de Carolina Rocha e Hugo França vencedor de dois prémios: Melhor Filme no Zinetika VideoDance Festival e Melhores Realizadores Portugueses pelo Júri Escolas no Festival InShadow.

Este ano voltaram-se a juntar para uma nova colaboração e criação, um trabalho que será estreado na mostra de videodança e contará com a participação e interpretação do coletivo 37.25 Núcleo de Artes Performativa

<< Dez 2019 >>
STQQSSD
25 26 27 28 29 30 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5

EDIÇÃO#1

40 ​horas de dança, ​35 artistas, ​24 aulas, ​12 parceiros, ​11 bailarinos convidados, ​10 eventos, ​8 músicos, ​6 espetáculos, ​1 Mostra de Videodança, 1​ Baile,​1 Conversa e ​1 Jam Session. Na primeira edição reunimos parceiros que acreditaram no PARALELO, que se propuseram a participar, a dançar, a aprender, a observar, a questionar, a criticar, a espalhar a notícia e a dançar novamente. Foram também eles que permitiram que este projeto se transformasse em ações e movimento.

37N 25W são as coordenadas que localizam a ilha de São Miguel no espaço. São estas coordenadas que definem a criatividade deste núcleo, inicialmente constituído por 9 bailarinos, micaelenses, que se uniram com o objetivo de partilharem a suas experiências e difundi-las através da dança. Construíram um processo que passa por uma viagem inovadora, ilustrada pela herança insular, geografia e construção de uma nova perspetiva da cultura açoriana. É na dança e performance que encontram a sua expressão e património cultural. É a partir da concepção de projetos nesta área, que comunicam e contagiam outros ramos artísticos. A filosofia deste grupo de intérpretes, coreógrafos e criadores, parte do princípio de que não existe um padrão a ser seguido. O processo de trabalho é colaborativo, deixando-se influenciar e instigar pelas linguagens e estilos dos próprios integrantes do Núcleo, assim como, com os diferentes coreógrafos com quem têm vindo a trabalhar.

Atualmente, após 9 anos, o Núcleo é constituído por: Carolina Rocha, Catarina Medeiros, Maria João Gouveia e Sara Machado.

PORTOFOLIO

2011 Work in Progress / Arco 8;

2012 Resvés cocriação 37.25-NAP / Teatro Micaelense; Abertura do festival Walk&Talk; 2013 A Ilha de Victor Hugo Pontes e Marco da Silva Ferreira / Teatro Micaelense / Walk&Talk

2014 Cardume de Filipa Francisco / Teatro Micaelense / Walk&Talk;

2015 Charm criação 37.25-NAP / Exchange with your heart – Terra Nostra;

Espectro de Luís Guerra / Teatro Micaelense / Walk&Talk;

Em Rede– cocriação em tempo real 37.25-NAP / Teatro Ribeiragrandense;

No tapete da Magia Sharing the Music Vox Cordis / Coliseu Micaelense;

5 vídeo, instalação-performance 37.25-NAP com o músico Filipe Carneiro / Arco8;

2016 Lago dos Cisnes da companhia de dança Quórum Ballet / Teatro Micaelense;

Dia D oficinas e improvisação 37.25-NAP com os músicos Luís Senra e João Tavares / Celebração do Dia Mundial da Dança / Teatro Micaelense;

#DANCEWITHSOMEBODY de João dos Santos Martins / Teatro Micaelense / Walk&Talk;

E caíram nas mãos gotas daquela Alma de 37.25-NAP criação Tiago Correia / Teatro Faialense / Centro Cultural da ilha Graciosa / Teatro Ribeira-grandense;

2017 Casulo de 37.25NAP / Prix CIRCOM Regional Gala Awards/Paralelo-Festival de dança. 2018

PARALELO Festival de Dança #1

2018 As Fadas de 37.25NAP criação Maria João Gouveia/ Teatro Micaelense/ Noites de Verão CMPDL

2019 Garden de Daniel Cardoso – Quórum Ballet / Teatro Micaelense

FICHA TÉCNICA
Direcção Artística e Produção – Catarina Medeiros e Carolina Rocha
Produção – 37.25 Núcleo de Artes Performativas
Direcção de Comunicação – Sara Machado
Assistência Comunicação – Maria João Gouveia, Joana Matos (Estúdio 13)
Design – Leonardo Baier Araujo
Design –  Teresa Pereira da Silva
Video – Hugo França
Fotografia – Carlos Cabral de Melo e Paulo Prata
Site – Lúcia Barreira

CONTACTOS

(+351) 911 009 247

info@paralelofest.pt

paralelofest@gmail.com
comunicacao.paralelofest@gmail.com

Follow

CONTACTOS

(+351) 911 009 247

info@paralelofest.pt

paralelofest@gmail.com
comunicacao.paralelofest@gmail.com

Follow